Publicado: 30 de agosto de 2017, 08:48

Projeto de tecnologia da informação é apresentado ao Estado

Conceber um projeto piloto a partir de experiências de Tecnologia de Informação visando o desenvolvimento científico e tecnológico do Estado. Com essa proposta, o pesquisador sênior da Escola de Economia e Ciência Política de Londres, Paolo Dini, foi recebido na Secretaria de Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia (Sedetec) para uma reunião na terça-feira, 18, com o secretário Jorge Santana e demais gestores da área de TI do governo.

O projeto ‘Ecossistemas de Negócios Digitais’ foi apresentado pelo italiano como proposta de aplicação para cooperação com o projeto Sergipe Digital, que vem sendo implementado pelo Governo do Estado. A idéia é buscar financiamento para a execução da iniciativa junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

Ciceroneado por Saulo Barretto, presidente do Instituto de Pesquisas em Tecnologia e Inovação (IPTI), o pesquisador demonstrou como seria possível criar uma infra-estrutura tecnológica para formar comunidades de conhecimento com base na Web 2.0. “A idéia é utilizar um conjunto de tecnologias para a concepção de redes sociais, a exemplo de sítios de relacionamento, sem gestão centralizada e com baixo custo de implementação”, explicou.

Para o secretário Jorge Santana, o projeto é interessante para Sergipe. “O Governo do Estado tem grande interesse em participar de projetos como este, principalmente porque contempla um ecossistema digital que tem como uma de suas principais dimensões o desenvolvimento econômico, com inserção das micro e pequenas empresas. A proposta transcende os aspectos da Tecnologia da Informação pelo seu caráter interdisciplinar. Vamos nos associar e dar início a um projeto-piloto que deverá ser capitaneado pelo Parque Tecnológico de Sergipe”, afirmou.

De acordo com o diretor-presidente da Agteis, Cláudio Silva, o projeto ampliará ainda mais o foco de atuação do Sergipe Digital, já que uma das perspectivas do Sergipe Digital é o fomento às iniciativas econômicas e às atividades de ensino e pesquisa.

“Neste sentido, o projeto traz a possibilidade um ambiente de construção colaborativa de aplicações, de acordo com as experiências dos diversos atores sociais. Este, sem dúvida, é mais uma forma de democratizar o acesso às tecnologias da informação e da comunicação e fomentar sua utilização nas iniciativas economias e culturais”, explicou Silva.

Segundo o diretor-presidente do SergipeTec, José Teófilo de Miranda, o programa DBE (Digital Business Ecosystem) é um modelo que, de forma democrática, gera desenvolvimento econômico no ambiente de Tecnologia da Informação, objetivando o desenvolvimento social. De acordo com ele, o projeto complementa o Sergipe Digital por pensar como fazer desenvolvimento com TI e beneficiar a sociedade como um todo.

Ainda segundo Teófilo, o DBE foi um projeto com forte participação industrial (2003-2006), financiado pela Comunidade Européia, com o objetivo de desenvolver uma estrutura distribuída, ponto a ponto, de software livre para suportar a criação e execução de serviços de web, com foco na sua adoção pelas pequenas e médias empresas (SMEs). “Além disso, ele tinha também um componente de arquitetura de ambiente evolutivo para permitir ao software adaptar-se automaticamente às necessidades dos usuários”, complementou.

Para o presidente do Banese, João Andrade, o projeto se apresentou com ferramenta importante para avançar mais alguns passos no Sergipe Digital. “Esse projeto apresentado hoje pode ser mais uma maneira de levar às pequenas empresas essa cultura de que podem colaborar muito para o processo”, afirmou Andrade, que participou da reunião.

Também estiveram presentes ao evento o responsável pela área de TI do Banese, Rodrigo Corumba, e da diretora técnica do SergipeTec, Ângela Souza.

Skip to content