Publicado: 2 de agosto de 2017, 11:50

Governo promove 2º Encontro de Gestores de Tecnologia da Informação

O encontro, promovido pela Emgetis, tem o objetivo de alinhar as ações de TI no estado. Nesta edição, os gestores conheceram os primeiros resultados do PDTIC e assistiram a uma palestra sobre Aplicações de Biometria.

Na última quinta-feira, 2, a Empresa Sergipana de Tecnologia da Informação (Emgetis) sediou o 2º Encontro de Gestores Estaduais de TI, que tem o objetivo de promover o alinhamento das ações de TI no âmbito do governo. Na ocasião, foram apresentados aos participantes os resultados da primeira fase do Plano Diretor de TIC (PDTIC) e o Manual de Solicitação de Parecer Técnico. Além disso, os presentes assistiram a uma palestra técnica sobre Aplicações de Biometria, proferida pelo professor da Universidade Federal de Sergipe Jugurta Rosa Montalvão Filho.

O diretor de Tecnologia, Milson Leite Barreto Filho, abriu o evento declarando a sua expectativa em relação ao encontro. “A diretoria espera que essa reunião seja um hábito saudável de intercâmbio de idéias, projetos e prestação de contas das atividades técnicas da Emgetis”. Em seguida, o diretor atualizou os gestores a respeito dos projetos e ações da empresa que estão em execução, como a modernização do Data Center e a migração deste para a Sala Cofre. “A TI do Estado está prestes a alcançar um patamar de qualidade muito bom, com uma disponibilidade ideal de serviços, através do processo de migração do nosso Data Center para a Sala Cofre compartilhada com o Banese”, frisou Milson Barreto.

“A Sala Cofre abrigará sistemas básicos redundantes e possibilitará mais segurança em relação aos serviços e equipamentos. Na Emgetis ficará apenas a administração da Rede Governo”, explicou Milson Barreto. Segundo o diretor, a previsão é de que essa migração ocorra em meados de outubro, antes disso, já estará completa a consolidação dos servidores do parque tecnológico da empresa, que é o processo de transferência de dados armazenados em equipamentos do tipo torre, para servidores do tipo blade.

O presidente Ulisses Benedito de Paula expôs, na sequência, a análise das informações coletadas nesta primeira etapa do PDTIC. Os gestores puderam conhecer de maneira geral como está configurada a estrutura de TI nos órgãos da administração, os desdobramentos dos pareceres técnicos, os projetos que envolvem TI e as diretrizes estratégicas aos quais estes, bem como às contratações da área, estão ligados. “O PDTIC é um dos documentos que traduz de forma mais pragmática a situação da TI. É claro que alguns órgãos já possuem o plano, mas destaco que esta atividade que está sendo realizada diz respeito à governança. Além disso, todas as informações divulgadas sobre o assunto serão úteis aos órgãos”, completou.

Ulisses de Paula defendeu ainda o posicionamento da TI no organograma das organizações do Governo, argumentando sobre a importância da área estar em uma posição estratégica. Para o responsável pela Gerência de Tecnologia da Secretaria de Estado da Fazenda, Amerindo Rehem Neto, o avanço do negócio do órgão depende do correto posicionamento da tecnologia, pois não há como se investir em controle, inteligência de negócio e auxílio à decisão sem tecnologia. “Não considerando a TI como estratégica, ela fica defasada e sem autonomia para crescer, passando a ser uma despesa. A TI está para auxiliar o negócio”, pontuou.

Manual de Parecer Técnico

Para concluir as apresentações ligadas ao trabalho da Emgetis em conjunto com os órgãos, a gerente da Área de Governança e Invoção (Argin) Sueli Bacelar apresentou ainda o Manual de Solicitação de Parecer Técnico. O documento padroniza uma das etapas que envolvem as aquisições de produtos e serviços de TI, que é a submissão dessas contratações à análise e emissão de parecer técnico da Emgetis, conforme o estabelecido no decreto nº 25.300.

Sueli destacou para os gestores, que ao efetuar a solicitação do parecer é importante informar o projeto do órgão ao qual a contratação estará vinculada, descrever as especificações técnicas de equipamentos e estar ciente da diferença entre software e sistema.

Palestra Técnica

Para dinamizar o encontro, esteve presente o professor da UFS Jugurta Montalvão, doutor na área de processamento de sinais e reconhecimento de padrões pela Universidade de Paris XI, Orsay – França, que falou sobre Aplicações de Biometria. O professor iniciou a palestra apresentando a definição de biometria que consiste no reconhecimento e/ou verificação de identidade por meio de características físicas ou comportamentais mensuráveis.

Jugurta explicou que há vários tipos de biometria, entre elas a identificação de indivíduo através de impressões digitais, íris, mão, retina e até mesmo veias e dinâmica de digitação. “Em termos de biometria, parece que o limite é a imaginação”, resumiu.

O gestor de Tecnologia do Ipesaúde, Luiz Antonio Uchoa, que assistiu à palestra, comentou que as informações repassadas pelo professor foram esclarecedoras. Ele conta que no Ipesaúde já há trabalhos baseados em biometria, como o ponto eletrônico e, futuramente, o atendimento ao beneficiário.

Skip to content