Exibindo: Destaque

Inovação é o caminho para enxugar custos na área pública

Estudo da Abep comprova que a cada R$ 1 aplicado em tecnologia, setor economiza R$ 9,79 no ano seguinte

A eficiência da operação e de serviços prestados pela esfera pública pode ser diretamente relacionada à eficácia da tecnologia utilizada pelas instituições, o que vai muito além de ter serviços e sistemas na nuvem. A afirmação é de Alexander Barcelos, especialista em tecnologia para o segmento público e diretor da LTA-RH.

“Essa eficiência envolve planejamento e uma infraestrutura robusta, ainda mais no caso dos serviços públicos, que precisam guardar muitas de suas informações internamente. A transformação digital não se sustenta sem redes e servidores robustos”, argumenta.

E acrescenta: “Muitas das empresas públicas que já investem em suas infraestruturas de TI on-premise estão, atualmente, percebendo a necessidade de atualizar os parques para se transformar digitalmente, entregando melhores soluções e serviços”.

O diretor ressalta que, aos poucos, as administrações públicas vêm percebendo os ganhos de eficiência e redução de custos trazidos pela inovação tecnológica. Dado que é confirmado por um estudo da Associação Brasileira de Entidades Estaduais de Tecnologia da Informação e Comunicação (Abep), que indica que a cada R$ 1 investido em TIC, governos estaduais economizam uma média de R$ 9,79 no ano seguinte.

“Em novembro, o governo federal deu um grande passo com o lançamento da Rede Nacional de Governo Digital, iniciativa para integrar o fluxo de informações entre as administrações federal, estaduais e municipais, além de compartilhar ferramentas e soluções tecnológicas no âmbito da gestão pública. O plano é aumentar o número de serviços online para o cidadão, tirando a necessidade de fazer isso presencialmente em repartições públicas”, comenta o especialista.

“Este pode ser o pontapé para importantes investimentos na digitalização dos serviços públicos. Contudo, é fundamental cuidar para que tudo não vá por água abaixo devido a estruturas defasadas ou pouco otimizadas. Vamos prestar atenção”, diz.

Estudo da consultoria global IDC reitera e complementa o desenho do atual quadro no setor público. Ela divulga que, hoje, 40% dos mais de 1,6 mil serviços públicos fornecidos pelo governo federal estão disponíveis digitalmente. E alerta que para aumentar esse percentual, será necessário investir em infraestrutura física. Mesmo em tempos de crescimento de cloud computing, segundo dados do levantamento da consultoria, o armazenamento em data center local tende a crescer. Além disso, a receita mundial nesse setor deverá movimentar, em 2018, montantes 37,7% maiores do que em 2017.

Por ComputerWorld

Publicado em 11 de janeiro de 2019

Governo decreta ponto facultativo dias 24 e 31 de dezembro

O governo do Estado decretou ponto facultativo em todas as repartições e órgãos estaduais da administração direta e indireta nos dias 24 e 31 de dezembro, conforme decreto estadual de número 30.940. O ponto facultativo ocorre em virtude das festividades de natal e réveillon. Já os dias 25 e 1° de janeiro são feriados nacionais.

Os serviços emergenciais do Estado, como Corpo de Bombeiros, Defesa Civil, polícias Militar e Civil, o Samu 192 Sergipe, hospitais e demais unidades de saúde de urgência estarão de plantão para atender as demandas da população.

Por ASN

Publicado em 21 de dezembro de 2018

Emgetis participa da implantação das Unidades Setoriais de Controle Interno

Representada pela funcionária e assessora de controle interno Ana Neri Aquino, a Empresa Sergipana de Tecnologia da Informação (Emgetis) participou da primeira etapa do processo de implantação das Unidades Setoriais de Controle Interno (USCI) do Governo de Sergipe. A última reunião aconteceu ontem, 19, no auditório da Adema, com a presença dos servidores da Administração Direta e Indireta do Estado responsáveis pela coordenação de seu respectivo Órgão/Entidade.

 

“Foi uma experiência muito importante e me sinto feliz em contribuir com a implementação das Unidades Setoriais de Controle Interno no Estado de Sergipe, em especial na Emgetis. Esta iniciativa contribuirá para que o estado tenha condições de dar suporte aos gestores na disponibilização de suas ações, tornando-as mais acessíveis e transparentes para os cidadãos”, revelou Ana Neri.

A implantação das USCI é um cumprimento a uma determinação do Tribunal de Contas do Estado de Sergipe (TCE/SE), que, mais uma vez, participou do encontro. Além do público ao qual era destinado o treinamento, estiveram presentes o secretário-chefe da Controladoria Geral do Estado (CGE), Eliziário Sobral; o assessor executivo da CGE, Antônio Álvaro; o procurador-geral do Ministério Público de Contas (MPC), João Augusto Bandeira de Mello; o procurador Eduardo Côrtes; e o coordenador de controle interno do TCE, Fábio Silva.

O secretário-chefe da CGE, Eliziário Sobral, destacou que a atuação do TCE, particularmente do procurador Bandeira de Mello, foi fundamental para a implantação do sistema, pois ele exigiu que constasse no parecer prévio das contas anuais do governo a necessidade do sistema setorial. “Meu sentimento é de realização. A partir de uma inspiração de Bandeira, que foi germinada e regada pela perseverança de Álvaro e da CGE, estamos aqui hoje reunidos, comemorando essa implantação. Agradeço à Adema por ceder mensalmente o espaço e à equipe do TCE por diversas vezes terem nos apoiado e presenciado esses encontros. O primeiro passo foi dado. Nada está perfeito e acabado, mas devemos seguir nesse caminho em benefício da administração pública de Sergipe”, ressaltou.

Já o procurador-geral do MPC, Bandeira de Mello, considera este um processo importante para a transparência das contas do Estado, e se sente privilegiado em ter participado desde o início, porque, segundo ele, muitos disseram que isso não ia dar certo e nem servir para nada. “Felizmente, temos um trabalho estruturado, com história, procedimento e metodologia, e já demonstra um resultado a apresentar”. E concluiu: “Estou há 16 anos em Sergipe, e é a primeira vez que vejo um trabalho dessa magnitude em nosso serviço público. Não canso de repetir que é uma iniciativa revolucionária, por isso parabenizo à CGE e a vocês que estão aqui hoje, e que também acreditaram nesse projeto”.

Por sua vez, o assessor executivo da CGE e coordenador do estudo, Antônio Álvaro, agradeceu calorosamente ao apoio que recebeu dos “amigos”, palavra dele, completando: “Tive o prazer de passar alguns anos no TCE, e a maior marca que guardo de lá são os amigos que fiz. Sem eles, não teria dado fruto às USCIs. Usei a força deles e peço agora que seja feita uma resolução que tenha como objetivo definir os princípios e procedimentos futuros dessas unidades”. Agradeceu ainda aos coordenadores dos Órgãos/Entidades pelos resultados alcançados, que servirão de base para os próximos gestores ficarem a par de cada particularidade que envolver a sua determinada pasta.

Ainda durante o encontro, os próprios coordenadores deram seus depoimentos de como se deu o processo de implantação das unidades setoriais em seus respectivos Órgãos, onde todos disseram ter aprendido demais com a experiência.

De acordo com alguns casos narrados, já havia um setor de auditoria interna, mas sem possuir grande importância, o que resultou no pedido de que a CGE consiga dar uma maior autonomia às unidades setoriais, reforçando o estreitamento das relações com os demais gestores. Por conseguinte, outros depoentes falaram da dificuldade em conseguir aliados ou participação dos colegas em ajudar na análise. Alguns tiveram que reformular completamente o organograma. A única exceção ficou por conta do Banese, que seguindo às determinações do Banco Central, não identificou distorções.

Ao final, foi feita uma entrega simbólica dos certificados de participação na implantação das unidades setoriais. Os que não receberam foram informados que terão acesso, por e-mail, até o final do mês.

*Com informações da CGE

Publicado em 19 de dezembro de 2018

Aposentadoria, previdência e organizações foram temas do segundo dia da RFDAFs

Foi realizado nesta sexta-feira, 30, no Quality hotel, em Aracaju, o segundo dia da 106ª Reunião do Fórum de Diretores Administrativos e Financeiros (RFDAFs). O evento, realizado pela Associação Brasileira de Entidades Estaduais de Tecnologia da Informação e Comunicação (Abep), com apoio da Empresa Sergipana de Tecnologia da Informação (Emgetis), contou com a participação de representantes de entidades de TI de todo o país.

O tema inicial da manhã foi “Ressignificando aposentadoria – como estimular colaboradores na melhor idade”, apresentado pela psicóloga Cristiane Barreto. A palestra seguinte foi ministrada pelo chefe de benefícios do INSS de Sergipe, Elsio Menezes, com apoio do coordenador Márcio Cardoso Lima, que explanou e tirou dúvidas sobre educação previdenciária. A terceira e última apresentação da manhã foi sobre a visão sistêmica das organizações, pela superintendente de gestão institucional da Agência Estadual de Tecnologia da Informação de Pernambuco, Zélia Mendonça.

As discussões seguintes foram internas e inerentes a área de atuação dos DAFs estaduais, com posterior avaliação de pauta para a próxima reunião.

Publicado em 30 de novembro de 2018

Representantes de empresas públicas de TI de todo país reúnem-se em Aracaju

Reunião de dirigentes da Abep, em São Paulo

O vice-presidente do Conselho da Associação Brasileira de Entidades Estaduais de Tecnologia da Informação e Comunicação (Abep) e diretor-presidente da Empresa Sergipana de Tecnologia da Informação (Emgetis), Ezio Faro, anunciou ontem, 08, durante reunião da Abep realizada em São Paulo/SP, que Aracaju sediará o evento do fórum de diretores administrativos e financeiros da Abep nos próximos dias 29 e 30 de novembro, no hotel Quality.

Durante o período do evento, a capital sergipana reunirá representantes das empresas públicas, empresas fornecedoras, parceiras e patrocinadoras de todo o país. “Além de ser um momento importante para debater informações estratégicas nas áreas de gestão administrativa e financeira do setor de tecnologia da informação, o evento proporcionará uma movimentação da rede hoteleira e turística do estado”, frisa Ezio Faro, acrescentando que todo o evento será custeado pela Abep, sem ônus para o estado.

Publicado em 9 de novembro de 2018